Mais duas patacoadas do Temer (e contando)

1-D0DqLEJgoq_5apjQLMe_sg

A gente já compilou por aqui as 5 piores patacoadas do governo Temer golpista. Pensou que ficaria só em cinco? Na-na-ni-na-não. É muita criatividade (despreparo, para ser mais coerente com a realidade) para poucos dias do ano com o governo que está aí.

As duas últimas “novidades” ou patacoadas são referentes aos direitos dos trabalhadores e o direito à saúde. Perto do Natal, o governo Temer anunciou que liberaria o saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) como uma forma desesperada de ganhar um pouquinho da admiração da população brasileira.

Como no ditado popular “Alegria de pobre dura pouco”, o governo golpista avisou que poderia restringir os saques de contas inativas para liberar o FGTS, em uma tentativa unilateral de decidir o que você, trabalhadora e trabalhador, devem ou não fazer com o dinheiro que VOCÊS ganharam.

Horas depois, sai no site da assessoria do governo, ops, na Folha, que a inteligência do governo Temer (RISOS) mudou de ideia e disse que não vai mais restringir e nem interferir nos saques das contas do FGTS. Olha só, agora você pode decidir o que vai fazer com o seu próprio dinheiro! Que bom, não é mesmo?

Quando estávamos finalizando esse texto que tinha o título “Mais uma patacoada do Temer (e contando)”, aí surgiu o programa “Menos Médicos” e não conseguimos fechar o texto só com a história do FGTS.

Contrariando a realidade dos postos de saúde e Unidades de Pronto Atendimento (UPAS) do país, depois da aprovação da PEC 55, que congelou por 20 ANOS investimentos em saúde e educação no Brasil, o ministro da Saúde do governo golpista, Ricardo Barros, disse que vai diminuir o número mínimo exigido de médicos que serão contratados para trabalhar nas UPAS como mais uma medida de “economizar” para tirar o Brasil da crise.

É o novo programa do governo ilegítimo: o “Menos Médicos”. Cada unidade de pronto atendimento passará a ter, no mínimo, dois médicos — antes do golpe, eram quatro. É mais um corte saído diretamente do pacote de maldades do governo ilegítimo.

O sucateamento da saúde pública de Temer e cia pode estar diretamente ligado ao fato de o ministro Barros já ter tido suas campanhas para deputado federal pelo Paraná financiadas por algumas das maiores operadoras de planos de saúde do Brasil. Vale lembrar que o ministro é árduo defensor da criação de planos de saúde “baratos” e que dão acesso a menos serviços médicos do que a atual cobertura mínima obrigatória determinada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Junto com o anúncio de redução de médicos nas UPAS, nada menos do que 4 mil cubanos que trabalhavam em municípios do interiorzão do Brasil foram dispensados e retornaram à Cuba no início do mês. ‘Fiz um agradecimento formal à colaboração de Cuba, mas o Mais Médicos é provisório, a intenção é de que a prioridade do programa seja dada a médicos brasileiros’, afirmou Barros sem dizer quem ficará cuidando das pessoas no Brasil profundo.

Temer, o presidente exterminador do futuro dos brasileiros. Vamos continuar acompanhando atentamente e compartilhando com vocês. Fiquem atentas (os)!

Deixe uma resposta