Carnaval também é feito de resistência!

1-lPpDPyUuUiEnQ-o7krtVYw.jpeg

 

Ô abre alas que eu quero lutar! Afinal, o Carnaval também é feito de política e resistência. Em São Paulo, vários blocos sairão às ruas para pedir a volta da democracia no País, para conscientizar a respeito das reformas que retiram direitos dos trabalhadores e denunciar as práticas populistas e as arbitrariedades do atual prefeito da cidade. Tudo com muito humor, claro!

Este ano, o Bloco dos Bancários elegeu o tema “Qualquer maneira de amor vale amar” para festejar a diversidade, tão característica da maior cidade do Brasil. “Queremos o colorido característico de Sampa: dos negros, das mulheres, dos LGBTs, das pessoas com deficiência, dos idosos. Queremos respeito e amor!”, afirma Marcelo Gonçalves, Secretário de Cultura do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região. “Também precisamos mostrar para a população como as reformas da Previdência e Trabalhista serão totalmente prejudiciais para os trabalhadores brasileiros, o que será feito através de performances e marchinhas que cantaremos no Bloco”, complementa.

A concentração do Bloco dos Bancários está marcada para o dia 20 de fevereiro, às 17h30, na Praça Antônio Prado (altura da Rua São Bento, 413). Mas antes, no dia 11 de fevereiro, haverá um “esquenta”, a Matinê do Bloco dos Bancários, um evento de carnaval voltado para crianças que vai ter marchinhas, concurso de fantasia, recreação e oficina de adereços. A matinê é destinada apenas a quem faz parte da categoria bancária e seus dependentes. Os interessados devem enviar email para cultural@spbancarios.com.br informando o nome e a quantidade de pessoas que levará ao baile.

Esquerda festiva — E como não poderia deixar de ser, questões relacionadas à política servem de tema de outros blocos pela cidade. “O nosso maior fanfarrão do momento, o Prefeito Patrão, aquele que manja muito de fantasia, vai ser inspiração no nosso bloco. É só fazer que nem o Prefeito, escolhe uma fantasia e vem para o bloco”. Essa é a descrição do “Vou de Dória”, em evento carnavalesco publicado no Facebook. Mais de 22 mil pessoas estão interessadas em participar do bloco, marcado para o dia 10 de fevereiro, das 19h às 22h, no Largo da Batata, em Pinheiros. Na discussão da página, uma enquete pergunta: de que tipo de Dória você vai? Até o dia 3 de fevereiro, “Doria aventureira” estava na primeira colocação, com a preferência de mais de 840 pessoas. O tema junta o sobrenome do prefeito com o desenho animado “Dora Aventureira”, mas faz uma crítica ao empresário milionário, que estaria “se aventurando” como “gestor” da cidade.

“Doria Gray dos 50 tons de cinza” ocupava a segunda posição na enquete. A “fantasia” também une dois temas: o best seller erótico “50 Tons de Cinza” e a tirânica decisão do alcaide de apagar pichações e grafites em várias ruas da cidade, sobretudo, os que formavam o maior mural de grafite da América Latina, na avenida 23 de Maio. A medida trouxe de volta uma antiga guerra entre prefeitura, pichadores e grafiteiros, incendiou os debates nas redes sociais (Graffiti e pichações são arte?) e inspirou diversas marchinhas, como a “Pinto por cima” e “Me grafita que eu tou bege”.

A administração da cidade São Paulo, ou melhor, a antiga gestão, serve de inspiração para o bloco: “Me beija que eu votei no Haddad”. Na descrição do grupo, o criador do evento já começa ironizando: “Desculpa galera…criei o outro privado. E privado é com o Dória. Esse agora é público”. O bloco nasceu para ser virtual, mas já possui 6,3 mil “interessados e interessantes”, como Adelino Costta, organizador do grupo chama os participantes. Apesar de ter sido criado como brincadeira, não faltam postagens clamando para que ele seja colocado na rua. Para o caso de a coisa vir para o mundo real, local, data e hora já estão definidos: avenida Paulista, dia 26 de fevereiro, de 13h às 18h. Na discussão do grupo tem até admirador de Jair Bolsonaro interessado em participar da folia: “Seria eu o único Bolsominion interessado nesse evento? Haddad é mó bonitão tbm slk, não tem como não querer participar desse bloco”, afirma o autor do post.

Muitas postagens pedem a presença de Haddad na folia. Enquanto o ex-prefeito não se manifesta sobre o assunto, os organizadores do bloco tentam garantir a presença do vereador mais votado da capital paulista, Eduardo Suplicy. Adelino Costa lançou a campanha #VemBeijarSuplicy, para “garantirmos gingado e um puxador profissional pra nossa marchinha”, explica o organizador. Quando a gente terminou de escrever este texto, papito ainda não havia confirmado presença no bloco da “ciddad com mais sauddad do Haddad”, o jeito como São Paulo foi descrita por alguns dos “interessados e interessantes” do “Me beija…”.

Deixe uma resposta