Um país que não para de encolher

 

1-LOGBnMZqEnGZnoxQYDPYYA.png

Um país que não para de encolher: é cada vez maior o número de cidades pequenas sem dependências bancárias no Brasil

Dia corrido. Precisava ter ido ao banco, mas não deu. Precisava ter tirado uma grana no caixa eletrônico, mas ficou tarde e agora eles estão fechados. Ainda bem que dá pra resolver tudo isso amanhã.

Mas e se não desse? Pior, imagina se você tivesse que fazer um grande deslocamento, de vários quilômetros, só para retirar dinheiro da conta (sim, o seu dinheiro) ou resolver coisas banais no banco.

Nesses lugares não há agência bancária, posto bancário ou caixa eletrônico. Quando muito, os moradores só podem contar com os serviços prestados pelas lotéricas, Correios e estabelecimentos comerciais que atuam como correspondentes bancários. Mas os serviços não são os mesmos: há limites para saques e pagamentos de contas.

A falta de bancos nessas cidades não apenas dificulta a vida dos moradores, mas prejudica a economia local, já que, ao se dirigirem para outro município, os habitantes acabam, muitas vezes, realizando suas compras por lá. O dinheiro não circula e tudo fica parado.

Mas por que os bancos estão fechando? Bem, os bancos têm cortado custos (embora continuem a registrar lucros bem grandes a cada ano), fechando agências que consideram não rentáveis e se concentrado na expansão dos canais digitais. Essas instituições financeiras citam também a ocorrência de assaltos violentos e arrombamentos nas cidades do interior do Brasil.

O resultado é que 18 dos 27 Estados brasileiros têm cidades em que não existem bancos ou caixas eletrônicos. As unidades que mais perderam esse tipo de serviço nos últimos anos foram Piauí, Paraíba e Rio Grande do Norte, Estados que não estão entre os mais ricos do país. O resultado é que os habitantes de cidades menores precisam sair de suas localidades para realizar transações financeiras ou ficam limitados aos serviços oferecidos pelos correspondentes bancários, que, por sua vez, são alvos mais fáceis para a violência.

E para piorar, não existe legislação no país que obrigue os bancos públicos ou os privados a terem postos ou agências nos municípios. Então, se os bancos decidirem, do dia para a noite, a próxima cidade a não possuir mais dependências bancárias pode ser a sua.

Deixe uma resposta