Teto de gastos já afeta educação e programas sociais

Não importa se a população cresce ou não. Com a emenda de Temer que alterou a Constituição e definiu que o governo NÃO PODE gastar mais do que a inflação nas áreas sociais, o investimento fica sempre no mesmo patamar, não cresce nunca. Obviamente, quem mais sofre é quem mais precisa de educação pública, saúde pública, proteção social, ou seja, os mais pobres.

Entre os programas que já estão sendo prejudicados estão o Bolsa Família, o seguro-desemprego e o Fies, como mostrou o site Poder 360.

O Bolsa Família vai ficar sem aumento, o seguro-desemprego corre risco e o Fundo de Financiamento Estudantil vai ser reformulado, com mudanças como redução do teto do financiamento de R$ 7 para R$ 5 mil, redução de alunos atendidos de 250 mil para 150 mil e juros bem mais altos, pulando de 6,5% para até 13% ao ano.

Quando a crise aperta, são justamente os mais pobres que sentem, naturalmente, seus efeitos, pelo desemprego e pela redução no poder de compra. É justamente nesse momento que mais precisam de proteção do Estado. Quando o governo é de direita, a tendência é fazer exatamente o contrário. Está aí Michel Temer para não nos deixar mentir.

Autor: Cris Rodrigues

Jornalista e social media.

Deixe uma resposta